terça-feira, 15 de novembro de 2011

CD À Hora dos Magos-Eugênio Leandro

Em 2009, Eugênio Leandro lançou um belo trabalho,totalmente instrumental e reunindo convidados de peso. À época do lançamento, a imprensa cearense publicou a matéria que transcrevo abaixo.


"O artista diz que seu início na música, aos sete anos, foi mesmo solando ao violão, imitando seu pai José Leandro, que gostava de pinicar a viola, após chegar em casa, dos dias de labuta, e sempre nos finais de tarde pro começo da noite.



A maioria das músicas foi feita na quietude do Vale do Jaguaribe, Limoeiro, no lusco-fusco, à hora dos magos, como dizem por lá, algumas delas com mais de 20 anos. Na realidade, cada faixa é uma homenagem, primeiro a esses magos, amigos, músicos que deram cara a cada peça, já que não sou nenhum instrumentista, além das tantas coisas boas na minha vida. Para o meu pai José Leandro, meus mestres Pe Pitombeira e o violeiro Zé Amâncio fiz O Tempo se Forma, tempo das chuvaradas e Gangorra, lugar das minhas origens. Para Clarice Leandro, minha filha, fiz Claritiana, que ela ouviu na barriga da mãe. O velho Benfica 27º, seu bosque, suas figuras, seus bares. Na Libânia, essa parte árabe do Ceará...



O CD reúne músicos como o violonista Nonato Luiz, Antonio José Forte, piano, Jorge Helder e Nélio Costa, baixo, Ricardo Silveira, guitarra, Jurim Moreira, bateria, Adelson Viana e Cathrin Pfeifer, sanfona, Rafael Torres, Liduino Pitombeira, Carlinhos Ferreira, Patriolino, Tito Freitas, Lifanco, Fiore e Igor Caracas, percussão, Stepheson, o trompetista Nilton Rodrigues, Sardinha, Tarcísio Lima, a Camerata Contemporânea de Fortaleza e convidados de vários grupos orquestrais do Estado, regida por Alfredo Barros.



A trajetória do artista Eugênio Leandro



Eugênio Leandro lançou o primeiro LP solo, independente, Além das Frentes, em 86, chegando a mais de 20 mil cópias, com as edições em CD. O disco teve tiragem inicial de 6 mil cópias, graças ao apoio do C.A. de Medicina da UFC, à época comandado por Odorico Monteiro, que atrelou o disco ao encontro de estudantes daquele ano, sendo distribuído aos participantes. Depois, seguiu-se Catavento, 90, A Cor Mais Bonita, 96 e Castelo Encantado, 2001.


À Hora dos Magos é o seu disco mais demorado, justificado pelas outras atividades do artista. Eugênio fez parte do Grupo Siriará de Literatura, lançando seu primeiro livro de contos Rei Piau em 1985. Em 2002, lança Cego Oliveira, pelas Ed. Demócrito Rocha, à convite de Lira Neto; em 2005, lança O Livro Passarinho, para crianças, pela IMEPH. Teve seu conto Águas de Romanza filmado em curta, por Patrícia Baía e Gláucia Soares, com mais de 18 prêmios em festivais no Brasil e no exterior. No mesmo ano, a convite do maestro Ernst Mahle, fez o libreto da ópera O garatuja, a partir de romance homônimo de José de Alencar, com montagens no Estado de São Paulo. Dentre os cearenses, foi o único classificado no prêmio Visa Compositores, 2006. No momento, finaliza um próximo livro de contos, enquanto desenha rumos para um possível romance.



Opiniões sobre o trabalho de Eugênio Leandro



Alguns comentários de amigos músicos participantes, que constam de capa e encarte do disco:



“É difícil dar unidade a um disco assim, com tantos músicos e estilos diferentes. Mas Eugênio conseguiu, exatamente, pela natureza da sua composição, rica, harmônica, de peças bem elaboradas. A Gangorra me surpreendeu, muito violonística, boa de tocar, onde vemos que o mais difícil do violão é essa simplicidade. Outra faceta do Leandro é esse poder de agregar, de coletivizar, uma comunhão de amigos, que ficou esse disco. E enalteço aqui o trabalho da orquestra, numa tradição, neste Ceará, de até muito antes do Orlando Leite, mostrando que a gente pode fazer, que podemos ter este viés orquestral.” - Violonista Nonato Luiz



“Eugênio Leandro é mesmo um cabra da peste! Seu olhar, sua música, sua criatividade, seu discernimento voam sem cerimônia e maestria pela essência do povo nordestino, mesclando essa estética única a elementos da cultura universal. Provou isso em canções antológicas, de histórias e sentimentos desse povo que ele entende perfeitamente, como bom filho da terra que é, acostumado a sentir o Vento Aracati, na boa prosa, e a provar o próprio fruto do juazeiro. Agora, reafirma-se nas melodias de algumas de suas músicas, colocadas à prova em belíssimas interpretações e arranjos instrumentais. Este novo trabalho passeia por sons de cordas, sopros, teclas e percussões de notáveis músicos brasileiros, mostrando que a música quebra barreiras, que une e que se faz entender em qualquer lugar e época. Com certeza, este disco tocará os corações dos felizardos em escutá-lo.” - Saxofonista Roberto Stepheson



CD À Hora dos Magos - 2009



01. Consolança (Eugênio Leandro/ Oswald Barroso)

Por Jorge Helder, Ricardo Silveira e Jurim Moreira

02. Claritiana (Eugenio Leandro)

Por Carlinhos Patriolino e Tito Freitas

03. À Hora dos Magos (Eugenio Leandro/ Nonato Luiz)

Por Nonato Luiz

04. Tonta Saudade (Eugênio Leandro) Por Carlinhos Ferreira e Lifanco

05. O Tempo Se Forma (Eugênio Leandro/ Antonio José Forte) Por Antonio José Forte

06. Benfica 27º (Eugenio Leandro) Por Rafael Torres, Márcio Resende e Souza, Fagote

07. Pelo Que Me Consta (Eugenio Leandro) Por Jorge Helder, Ricardo Silveira e Jurim Moreira 08. Libânia (Eugenio Leandro) Por Camerata Contemporânea de Fortaleza e Convidados

09. Gangorra (Eugenio Leandro) Por Nonato Luiz

10. Vento Aracati (Eugenio Leandro/ Oswald Barroso) Por Stepheson, Nilton Rodrigues, Sardinha e Adelson Viana

11. Brasil de Dentro (Eugênio Leandro) Por Marcos Maia, Camerata Contemporânea de Fortaleza e Convidados

12. Catavento (Eugênio Leandro/ Oswald Barroso) Por Jabuti, Cathrin Pfeifer e Márcio Resende

Nenhum comentário:

Vídeo de Zeca Zines no You Tube - Sensacional!