sábado, 7 de março de 2009

Belchior - Festival de 1971

A matéria abaixo foi enviada como colaboração ao blog por Silvio Atanes. Valeu, Silvio!

IV FESTIVAL UNIVERSITÁRIO DE MÚSICA BRASILEIRA

NA HORA DO ALMOÇO – O Bandolim de Ouro

texto de Gilberto do Vale
foto de Frederico Mendes
O Cruzeiro
18/8/1971

Um jovem cearense, estudante de Medicina, com apenas seis meses de Rio, fez vibrar toda a platéia do Teatro João Caetano, com sua composição Na hora do almoço, uma das primeiras entre as 50 já criadas em menos de dois anos. Ao levantar o Bandolim de Ouro no IV Festival Universitário de Música Brasileira, Antônio Carlos Belchior desponta como a mais nova revelação da MPB. E, já em setembro, será o principal cartaz do Especial Nordeste, na Televisão Tupi.

Legenda foto principal:
Praticamente desconhecido no meio artístico, Belchior (D) mostrou também o seu grande talento com intérprete, formando o trio com Jorginho Teles (E) e Jorge Neri. Foram todos aclamados.

Com muitos aplausos, sorrisos e lágrimas, a música Na hora do almoço, cantada por Belchior, Jorginho Teles e Jorge Neri, foi recebida pelo imenso público que lotou completamente o Teatro João Caetano, como a grande vencedora do IV Festival Universitário de Música Brasileira, promovido pela TV Tupi e Grupo Interuniversitário Musical, ganhando o seu autor o troféu Bandolim de Ouro, dez mil cruzeiros e uma viagem à Europa. Desde a sua apresentação na fase classificatória, a composição de Antônio Carlos Belchior, um jovem cearense de 23 anos e estudante de Medicina, foi escolhida pela assistência, que este ano concordou com a decisão do júri.

Em segundo lugar, ficou Os campos de arroz, de Diana Pereira e Ricardo Guinsburg, defendida pela Equipe Mercado, que recebeu o Bandolim de Prata e quatro mil cruzeiros; a terceira colocada foi Luzia mãe-d'água, de José Mauro e Ana Maria Bahiana, cantada por Nana Caymmi, que ganhou o Bandolim de Prata e três mil cruzeiros; a quarta foi Girassol, de Marta Strauss e Paulo Emílio Costa Leite, interpretada por Alaíde Costa, que levou o Bandolim de Prata e dois mil cruzeiros; o quinto lugar foi para Confirmação, de Rui Quaresma, Tarcísio Cardoso e Aírton Quaresma, defendida pelo MPB-4, que teve o prêmio Bandolim de Prata e mil cruzeiros. Nana Caymmi, escolhida como a melhor intérprete, recebeu o Bandolim de Prata e três mil cruzeiros. O melhor arranjo foi de Jorge André para a música Mito, Milton, o que lhe valeu o Bandolim de Prata e três mil cruzeiros.

O júri, que escolheu as vencedoras entre as 12 músicas selecionadas nas duas fases classificatórias, foi composto por Tibério Gaspar, Júlio Hungria, João de Barro (Braguinha), Rui Maurity, Paulo Moura, Marcos Valle, Aracy de Almeida, Billy Blanco, Luis Bonfá, Paulo Soledade e Maria Alice Barroso e presidido pelo secretário de Turismo da Guanabara, Rui Pereira da Silva.

O vencedor e sua música

Antônio Carlos Belchior, o compositor vitorioso, que faz música há apenas dois anos e já tem mais de 50 canções prontas, disse que Na hora do almoço foi uma de suas primeiras composições. “Estou desenvolvendo um trabalho semelhante ao que Caetano Veloso e Gilberto Gil fizeram, mas os temas das minhas músicas estão dentro do folclore do meu Estado.”
Belchior, que chegou ao Rio há seis meses com o grupo cearense e está tentando sua transferência da Faculdade de Medicina e uma bolsa de estudos, vê o sucesso chegar rapidamente e suas dificuldades financeiras desaparecerem. “Estou muito contente e também assustado com a vitória. Soube que Maria Bethânia quer gravar Na hora do almoço, e Roberto Carlos já pediu a fita de três músicas: Paralelas, Lentes do pranto e Espacial, para ouvir e talvez gravar. Acho que a barra agora vai ficar mais leve pra mim.”

Eis a sua letra: “No centro da sala/Diante da mesa/No fundo do prato/Comida e tristeza/A gente se olha/Se toca e se cala/E se desentende/No instante em que fala/Cada um guarda mais o seu segredo/A sua mão fechada/A sua boca aberta/A sua mão deserta/selada/lacrada/parada/molhada de medo/Pai na cabeceira/– É hora do almoço/Minha mãe me chama/– É hora do almoço/Minha mãe me chama/– É hora do almoço/Minha irmã mais nova/Negra cabeleira/Minha avó reclama/– É hora do almoço/Eu ainda sou bem moço/Pra tanta tristeza/Deixemos de coisas/Cuidemos da vida/Senão chega a morte (ou coisa parecida)/E nos arrasta, moço/Sem ter visto a vida (ou coisa parecida).

Flashes

• Cidinha Campos, que vai promover Belchior e o grupo cearense, foi com eles comemorar a vitória de Na hora do almoço na Churrascaria Passeio. A pedido do diretor artístico da casa, José Fernandes, cantaram a música. "Nota 4, com louvor."

• Emocionada ao receber o prêmio de Melhor Intérprete, Nana Caymmi declarou que vai parar de cantar depois do festival internacional, para se dedicar mais aos seus três filhos e à sua clínica de estética. No FIC, defenderá Olhos da manhã.

• Clara Nunes, que vai gravar as duas músicas que cantou, Valeu pelo amor e Quem sabe é Deus, deu a maior bronca quando soube do resultado da melhor intérprete.

• Ciro Monteiro, que recebeu uma verdadeira consagração do público, disse que estava encerrando sua participação em festivais. “Meu filho, eu já estou velho para ficar nessa jogada da competição. A vez agora é da turma jovem.”

• A Equipe Mercado, que no final da apresentação de Os campos de arroz recebeu uma chuva de arroz da platéia, afirmou que o grupo agora vai ganhar novo impulso, porque “já temos umas dez músicas prontas para jogar por aí”.

2 comentários:

escriba77 disse...

Ficou muito bom mesmo, Klaudia! Um beijão!

Fernando Faria disse...

Bacana como o interesse pela música era maior! A gente percebe até a dedicação do jornalista na descrição dos vencedores e dos artistas. Obrigado.

Vídeo de Zeca Zines no You Tube - Sensacional!