quarta-feira, 13 de agosto de 2008

CD Vocalistas Tropicais

Reunidos em um CD, remasterizado de itens do arquivo Nirez e com produção executiva e projeto gráfico de Calé Alencar, neste disco estão reunidos os sucessos do grupo “ Vocalistas Tropicais", que fez sucessos nos anos 40 e participou da cena musical da época, no Rio de Janeiro.
Ninguém melhor que o produtor, cantor e compositor Calé Alencar, um dos idealizadores desse projeto, para falar sobre o grupo:

“Criado em Fortaleza no início da década de 1940, o conjunto Vocalistas Tropicais, cujos primeiros componentes foram Danúbio Barbosa Lima, Nilo Xavier Mota, Paulo Eduardo Sucupira, José Eduardo Pamplona, Vicente Ferreira da Silva e Paulo de Tarso Siqueira, obteve êxito expressivo com sua atuação na PRE-9, prefixo e nome popular da Ceará Rádio Clube, emissora cearense dos Diários Associados. O sexteto excursionou em 1944 pelo Maranhão, seguindo em 1945 para Manaus, até se fixar no Rio de Janeiro, no ano de 1946, onde os cearenses conquistaram auditórios e consolidaram uma vitoriosa carreira de sucessos, interpretando sobretudo balanceios, marchas e sambas. Em face do sucesso obtido no sul pelos 4 Azes e 1 Coringa, outro notável grupo vocal, composto de cearenses, os integrantes dos Vocalistas Tropicais seguiram o mesmo itinerário, contando ainda com o incentivo de artistas renomados, quando de suas vindas a Fortaleza , ressaltando qualidades no grupo compatíveis com outras formações do cenário musical brasileiro. Contando com o apoio de João Calmon, diretor dos Diários Associados, foram contratados pela Rádio Tupi e ao chegarem na então Capital Federal, causaram surpresa pelo tom característico e harmonioso dos arranjos vocais, priorizando um repertório composto de ritmos e harmonias regionais.

Após a gravação de alguns acetatos em 1942 e o experimento de diversas formações, ainda na capital cearense, o grupo fixou-se com os seguintes integrantes: Nilo Mota , pandeiro e canto; Danúbio Barbosa Lima, tantan e canto; Paulo Sucupira, violão e canto; Evandro de Sousa, violão e canto; Artur de Oliveira, violão, afoxé e canto; e Paulo de Tarso, violão tenor. Ao seguirem para o Rio realizaram uma temporada de grande sucesso em Salvador. Nesta etapa da viagem encontraram o cantor e compositor cearense Gilberto Milfont, de brilhante carreira na história da música popular brasileira, a quem convenceram a acompanhá-los, chegando ao Rio em 1º de janeiro de 1946, com o grupo passando a atuar na Rádio Tupi e no Cassino Atlântico, sendo dirigidos pelo maestro e compositor cearense Paurillo Barroso no musical “Balanceio”. Ainda em janeiro, o grupo cearense assinou contrato com a gravadora Odeon, sendo que sua primeira gravação em disco ocorreu no dia 6 de fevereiro. Em meio ao êxito de sua carreira musical no Rio, o grupo participou de vários filmes, sendo o primeiro deles “: Caídos do Céu”, no qual atuaram ao lado da atriz e comediante Dercy Gonçalves.

O disco de estréia dos Vocalistas Tropicais registrou, no lado A, o fox ‘Papai, Mamãe, Você e Eu’, composição de Paulo Sucupira . No lado B, o disco trouxe o balanceio “Tão fácil, tão bom”, composição de Lauro Maia também interpretada pelo grupo no filme “Caídos do Céu”. O ritmo balanceio foi criado por Danúbio Barbosa Lima e Aleardo Freitas, tornando-se um verdadeiro precursor do baião de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. O balanceio seria amplamente difundido através das composições de Lauro Maia, sendo que a primeira composição utilizando este ritmo, criação de Aleardo Freitas e gravada em acetato pelos Vocalistas Tropicais, recebeu o título de “Tiririca”.

Dentre os maiores êxitos musicais dos Vocalistas Tropicais incluem-se “Daqui não saio” e “Tomara que chova”, de Romeu Gentil e Paquito; “Jacarepaguá”, de Marino Pinto, Romeu Gentil e Paquito; “Turma do Funil”, de Mirabeau e Urgel de Castro; “A Maior Maria”, de João de Deus da Ressurreição e Gerôncio Cardoso; “A voz do morro” de Zé Kéti, “Taboleiro d’Areia” e “Tão Fácil, tão bom”, ambas de Lauro Maia, e “Trevo de Quatro Folhas”, versão de Nilo Sérgio para o fox de Harry Wood e Mort Dixon.

Os Vocalistas Tropicais, cuja formação mais duradoura incluía além de Danúbio, Nilo e Evandro, o cearense Artur e o pernambucano Arlindo, também participaram dos filmes “Depois eu conto”, com Anselmo Duarte, Eliana e Grande Otelo; “Guerra ao Samba”, com Cyll Farney, Eliana e Renata Fronzi; e “Carnaval no Fogo”, um dos maiores sucessos da Atlântida, estrelado por Cyll Farney, Oscarito e Grande Otelo, no qual o grupo interpreta a marcha “Daqui não saio”, além de figurar no documentário “Assim era a Atlântida”, produzido por Carlos Manga. Em 2003, os Vocalistas Tropicais viraram tema do documentário “Fragmentos de Harmonia”, produzido por Nilo Mota, filho de um dos integrantes do grupo, utilizando acervo de fotos, gravações em acetato e discos de cera, além do precioso depoimento de Danúbio Barbosa Lima, um dos remanescentes do grupo, residente em Fortaleza e merecidamente homenageado com o troféu Eusébio Oliveira, na 13ª edição do Cine Ceará. Alvo de outras homenagens, Danúbio recebeu da Câmara Municipal de Fortaleza a Medalha Lauro Maia, por sua contribuição à Música Popular Brasileira, e o troféu Prova de Fogo – 70 anos de Samba e Tradição -, em reconhecimento ao seu importante papel na história do carnaval brasileiro.”

(Calé Alencar, no encarte do CD “Vocalistas Tropicais”)


CD VOCALISTAS TROPICAIS

1- Papai, Mamãe, Você e Eu (Paulo Sucupira)
2- Tão fácil, tão bom (Lauro Maia)
3- Tormento (Marino Pinto/Herivelto Martins)
4- Jacarepaguá (Paquito/Romeu gentil/Marino Pinto)
5- Trevo de Quatro Folhas (Harry Wood/Mort Dixon – versão de Nilo Sérgio)
6- A maior Maria (João de Deus da Ressurreição/Gerôncio Cardoso)
7- Daqui não saio (Paquito/Romeu Gentil)
8- Maracatucá (Geraldo Medeiros/Jorge Tavares)
9- Não devemos mais brigar (Milton de Oliveira./Gilberto Milfont)
10- Diamante Negro (David Nasser/Marino Pinto)
11- Quem é que não sente ? (Ataulfo Alves/Alonso Teixeira)
12- Tomara que chova (Paquito/Romeu Gentil)
13- Despeito (Gilberto Milfont/Mary Monteiro)
14- Quem tem amor, não dorme (Pedro Caetano)
15- Maior que o ódio (José Messias/Paulo Marques)
16- Meu Natal (Waldemar Ressurreição/Salvador Miceli)
17- Coisas da Vida (Lenah de Brito)
18- Montanha Russa (Roberto Riberti/Arlindo Marques/Alcir Pires Vermelho)
19- A voz do morro (Zé Kéti)
20- A mão que afaga (Raul Sampaio/José Messias)
21- Valsa dos sonhos (Paulo Tito/Fernando Lopes)
22- Turma do Funil (Mirabeau/Milton de Oliveira/Urgel de Castro)
23- Tabajara (Euclides Silva Novo/Caetano Acioly)

5 comentários:

Cristiane disse...

cade o Arlindo Borges vc não o citou no texto era meu avo

KIP PETTER MINHAS PALAVRAS disse...

sou bisneto do paulo de tarso!

Regina disse...

Sou neta do maestro Euclides Silva Novo.

Henrique Novo disse...

Sou Neto do Maestro Euclides da Silva Novo e filho do Menor tenor do mundo à sua época Mário da Silva Novo

samuca62 disse...

Peço encarecidamente que me enviem o mp3 da música "Tormento", de Herivelto Martins e Marino Pinto, faixa constante desse CD dos Vocalistas Tropicais. email para: samafil@bol.com.br. Um abraço! SAMUEL MACHADO FILHO - Ribeirão Bonito, SP.

Vídeo de Zeca Zines no You Tube - Sensacional!