sábado, 30 de junho de 2007

Joaquim Ernesto e Silvio Barreira - Jangada de areia

Joaquim Ernesto não está mais à frente do Cais Bar, mas continua, felizmente, compondo suas canções e fazendo parcerias com os amigos. Em "Jangada de Areia" ele registrou canções suas em parceria com Silvio Barreira e convidou grandes intérpretes cearenses para cantá-las.
Lançado em 2006, o CD teve lançamento oficial em um show no Teatro do Dragão do Mar. Mais um excelente disco coletivo que mostra a qualidade e a versatilidade do(a)s cantores(as) cearenses.
Os músicos que participam do CD são: Aroldo Araújo, Adelson Viana, Tarcísio Sardinha, Márcio Resende, Denilson Lopes, Hoto Jr.,Marcelo Randemarck, Bob Mesquita, Edson Filho, Júnior e a participação nos vocais de Iana Barreira, Priscila e Xis.

JANGADA DE AREIA - VÁRIOS

1- Acalanto - voz: Paulo Façanha
2-Segredo - voz: Humberto Pinho
3-Não me diga - voz: Edmar Gonçalves
4-Lua de Cobre - voz: Isaac Cândido
5-Semente - voz: Amaro Penna
6-Verso escuro - voz: Lúcio Ricardo
7- Vida - voz: Ciribáh Soares
8-Teu cheiro - voz: Serrão Castro
9-Poema encomendado - voz: Melquíades
10-Chama - voz: Edmar Gonçalves
11-O mundo - voz: Lúcio Ricardo
12-Beberibe- voz: Chico Barreto
13-Curumim - voz: Aparecida Silvino
14-Jangada de areia - voz: Fátima Santos

Todas as músicas são de Joaquim Ernesto e Silvio Barreira, com exceção da faixa 11, "O Mundo", que é de Joaquim Ernesto, Silvio Barreira e Marcelo Randemarck.

Eudes Fraga - Tudo que me nordestes

Eudes Fraga já participou de vários festivais de música pelo Brasil e também marcou presença em discos coletivos. Ele tem um trabalho muito bonito com Marcos Quinan e juntos já lançaram vários discos. Em 2005, Eudes teve um CD lançado pelo selo MEC que distribuiu seu disco e também realizou um show de lançamento no Teatro Rival, no Rio, sendo inclusive filmado e exibido pela TV educativa.
Em 2002, Eudes Fraga lançava o CD "Tudo que me nordestes", uma produção dele e de Pantico Rocha. As parcerias mais frequentes de Eudes são com o compositor paraense Joãozinho Gomes e com Marcos Quinan, ambos presentes nesse trabalho. Paulo César Pinheiro também marca presença com várias canções. Um disco de grande sensibilidade e com uma produção bem interessante, ressaltando o detalhe pitoresco e de muito bom gosto que foi colocar um pequeno entalhe em madeira do "Padim Ciço" encartado na capa do CD.
As participações especiais são do compositor e cantor paraense Nilson Chaves, Waldonys na sanfona, Luciana Rabello no cavaquinho, Maurício Carrilho no violão, Chico Justino na sanfona, Manassés na viola, Claudio Nucci e Telma Tavares no coro. Os músicos que tocam no disco são: Pantico Rocha, Marco Lobo, Chico Chagas (ex-Flor de Cáctus), Roberto Stephenson, Marcelo Mariano, Fernando Carvalho, Neno Silva, Ocelo Mendonça e João Lira

EUDES FRAGA - TUDO QUE ME NORDESTES
1-Na contramão (Eudes Fraga/Joãozinho Gomes/Paulo Fraga)
2-Amor de reis (Eudes Fraga/Fausto Nilo)
3-Pra fazer o meu baião (Eudes Fraga/Paulo César Pinheiro)
4-Urubu mestre do vôo (Eudes Fraga/Joãozinho Gomes)
5-Paixão (Vicente Barreto/Paulo César Pinheiro)
6-Sinal de inverno (Luiz Fidélis)
7-Romeiros (Dori Caymmi/Paulo César Pinheiro)
8-Dragão do mar (Eudes Fraga)
9-Abençoado (Eudes Fraga/Paulo César Feital)
10-Verdes mares (João Lira/Paulo César Pinheiro)
11-Zoím camaleão (Eudes Fraga)
12-Tem que ser nordestino para saber dar valor ao nordeste brasileiro
(Eudes Fraga/Luis Homero/Ivanildo Vilanova)
13-Sertão da minha alma (Marcos Quinan/Chico Serra)

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Petrúcio Maia - Melhor que mato verde

Tantas vezes descrito por Fagner como "o meu compositor preferido", Pet Maia, como era chamado pelos amigos, teve seu único trabalho solo em vinil (posteriormente ele lançaria um CD com a esposa Bigha Maia) lançado em 1980, também pelo selo EPIC. "Melhor que mato verde" registra Pet Maia cantando, traz temas instrumentais compostos por ele e participações especiais nos vocais como Ângela Linhares, Fausto Nilo, Téti e Fagner na linda "Reflexos do baile". O time de músicos também foi muito bem escalado com Herman Torres ( o mesmo que fazia parte da banda que acompanhava Fagner nos shows em 1976), Manassés, Ife, Antonio Adolfo (que estava muito próximo dos músicos cearenses nessa época), Tuti Moreno, Dominguinhos, Serginho Boré, Ozias, Ari Santos e Zé Carlos.
Infelizmente Pet Maia faleceu muito cedo, deixando um grande vácuo não só entre seus muitos amigos, mas também na música cearense, onde ele, se estivesse vivo, estaria contribuindo com suas belas melodias e com a enorme sensibilidade que caracterizava sua personalidade.

PETRÚCIO MAIA - MELHOR QUE MATO VERDE
Lado A:
1-Melhor que mato verde (Petrúcio Maia/Fausto Nilo)
Dolores e Mariá (instrumental) (Petrúcio Maia)
2-Perdão, não sei, pois é (Petrúcio Maia/Yeda Estergilda)
3-Cebola cortada (Petrúcio Maia/ Clodo)
4-Passarás, passarás, passarás (Petrúcio Maia/Capinan) voz: Ângela Linhares
5-Falsa correspondência(Petrúcio Maia/Brandão)
6-Dorothy L'amour (Petrúcio Maia/Fausto Nilo) voz: Petrúcio Maia e Fausto Nilo
Lado B:
1-Choro Matuto (Petrúcio Maia/Fausto Nilo)
2-Hortelã (instrumental) (Petrúcio Maia)
3-Frenesi (fosse paixão) (Petrúcio Maia/Ferreirinha/Fausto Nilo) voz: Petrúcio Maia e Téti
4-Pé de sonhos (Petrúcio Maia/Brandão)
5-Reflexos do baile (Petrúcio Maia/Abel Silva) voz: Fagner
6-Acorda e sorri (Petrúcio Maia/Brandão) voz: Téti

Téti - Equatorial

Mais um disco produzido por Fagner na época em que era diretor do selo Epic, "Equatorial" é o primeiro trabalho solo de Téti, uma das vozes mais marcantes e representativas da música cearense. O disco registra presenças especialíssimas, uma maravilhosa mistura do Clube da Esquina com o Pessoal do Ceará. Mistura, aliás, que sempre deu e dará bons frutos musicais.
Toninho Horta e Túlio Mourão foram os diretores musicais do disco que conta também com o violão do pernambucano Geraldinho Azevedo na faixa "Vento-rei". Outros grandes músicos também participam: Robertinho de Recife, Mauro Senise, Luiz Alves, Manassés, Nivaldo Ornellas, Rodger de Rogério, Ife, Tuti Moreno, Robertinho Silva, Raul Mascarenhas... ufa! parece mais uma seleção brasileira dos áureos tempos que uma sessão de gravação!
Com tanta gente boa participando (ah, Fagner também faz o vocal em "Passarás, Passarás, Passarás), o talento de Téti e o projeto da capa de Fausto Nilo, "Equatorial" não podia deixar de se tornar um dos álbuns clássicos da música cearense. Um disco fundamental para quem gosta e quer entender o que é a música do Ceará. Infelizmente até hoje esse vinil não foi lançado em CD.

TÉTI - EQUATORIAL
Lado A:
1-Daniela (Rodger de Rogério/Clodo)
2-Jumento passarinho (Rodger de Rogério/Zila Mamede)
3-Barco de cristal (Rodger de Rogério/Clodo/Fausto Nilo)
4-Último raio de sol (Rodger de Rogério/Clodo/Fausto Nilo)
5-Gírias do norte (Onildo Almeida)
6-Pé na terra (Stelio Valle/Fausto Nilo)
Lado B:
1-Vento rei (Zé Maia/Calé Alencar)
2-Passarás, Passarás, Passarás (Petrúcio Maia/Capinan)
3-Espacial (Belchior)
4-Falando da vida (Rodger de Rogério/Dedé)
5-Maracá (Rodger de Rogério/Clodo)
6-Equatorial (Calé Alencar/Fausto Nilo)

quinta-feira, 28 de junho de 2007

Erico Baymma-Artesanato

Resultado de várias pesquisas e influências como a música de Philip Glass, Vangelis e Jean Michel Jarre, Érico Baymma registrou em CD, no ano de 1997, as suas composições e duas de outros compositores, no CD "Artesanato" que representa bem o título. Temas delicados e harmoniosos nos teclados firmes e seguros de Baymma.

ÉRICO BAYMMA - ARTESANATO
1-Reflexões
2-Trem do dia
3-Iracema
4-Litoral (Carlinhos Crisóstomo)
5-A nave
6-Os peixes
7-O mar
8-Caça submarina
9-Vênus
10-Consolança (Eugênio Leandro/Oswald Barroso)
11-Reflexões II

Cristiano Pinho - Pessoa

Cristiano Pinho é o guitarrista da banda que acompanha Fagner há bastante tempo. Cada vez mais atuando na produção e direção musical, Cristiano foi fundamental na produção do novo CD de Fagner, segundo palavras do próprio em recente entrevista. Em 1996, Cristiano lançou um Cd solo onde faz a produção e mostra a sua habilidade nas cordas.

CRISTIANO PINHO - PESSOA
1-Deserto
2-Por aí
3-Oásis
4-Dança nas cordas
5-Amolando faca
6-Destino
7-A bolha
8-Pesadelo
9-Blue
10-L'eternel Désir
11-Árvores da vida

Manassés de Sousa - Nômade

A música instrumental sempre foi muito forte no Ceará. Grandes nomes de nossa música como Manassés, Nonato Luiz, Cristiano Pinho, Ocello Mendonça, Marcílio Homem, Luzinho Duarte, entre tantos outros são hoje reconhecidos e aplaudidos em todo o mundo.
Manassés tem vários discos com seu trabalho instrumental e no ano de 1997 ele lançou o CD "Nômade" que conta com a participação especial de Mingo Araújo, o percussionista potiguar que está há bastante tempo ligado ao Ceará. Inicialmente fazendo parte do grupo "Flor de Cáctus", Mingo ficou mais conhecido por fazer parte da banda que acompanhava Fagner até recentemente. Mingo dividiu com Manassés a produção e direção musical do CD "Nômade".
Atualmente Manassés está passando um tempo na França.

MANASSÉS - NÔMADE
1-Nômade
2-Alvorescendo
3-Meninos de rua
4-Briga de foice
5-Cachoeira das moças
6-Trilhos
7-A viola e o poeta
8-Moça nua
9-Estradas
10-Tudo é verdade

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Calé Alencar - Estação do Trem Imaginário

Em 1992 Calé Alencar lançou seu segundo LP, "Estação do Trem Imaginário". Nome importante da cultura cearense, Calé é produtor, compositor, cantor, e promove como poucos o Maracatu cearense. Responsável pela Equatorial Produções, já lançou trabalhos importantes como o projeto em homenagem a Lauro Maia e Patativa do Assaré.
"Estação do Trem Imaginário" foi lançado também em CD, junto com o primeiro disco de Calé: "Um pé em cada porto", de 1989.
As participações especiais nesse trabalho incluem Paulo Moura, Manassés, Lúcio Ricardo, o grupo Syntagma e Clara Alencar. A produção do disco é de Calé e Aurora Miranda Leão. O coro em duas faixas é composto por grandes nomes da música cearense: Amaro Pena, Ana Fonteles, Ângela Linhares, Chico Pio, Cristina Francescutti, Edmar Gonçalves, Fernando Néri, Isaac Cândido, Josie Daniel, Pingo de Fortaleza, Ricardo di Sousa, Régis e Rogério Soares e Zezé Fonteles.

CALÉ ALENCAR - ESTAÇÃO DO TREM IMAGINÁRIO

Lado A:
1-Chá de raiz (Calé Alencar)
2-Batuques e bantos (Calé Alencar)
3-Canoa quebrada (Calé Alencar/Carlos Pita)
4-Flor do bem querer (Calé Alencar e Ângela Linhares)
5-O tabajara (Euclides Silva Novo)
6-Trem de ferro (Lauro Maia)
Lado B:
1-A voz do cantor (Calé Alencar e Fernando Néri)
2-The fool on the hill (Lennon & McCartney)
3-Felicidade agora (Calé Alencar)
4-Duerme Niño Indio (Calé Alencar e Atahualpa Yupanqui)
5-Cidade nua (Calé Alencar/Celso Araújo)

terça-feira, 26 de junho de 2007

Bernardo Neto-Sumaré

Em 1988, a Revista Cultural "O Saco", publicada em Fortaleza voltou a circular, depois de ficar mais de 10 anos sem editar um novo número. Criada em 1977 por José Jackson Sampaio, a revista enfrentou todos os problemas que até hoje desafiam o jornalismo cultural no Brasil. O editorial de retorno do Saco, escrito em 1988 poderia muito bem ter sido escrito hoje. Confira só trechos dele:

"A maior parte da produção cultural nordestina passa desapercebida do resto do país. Fruto de uma indústria cultural desonesta, preconceituosa, fascista e burra. "
"Será que a cultura do nordeste é artigo de luxo, supérflua, diante de nossos imensos problemas econômicos e sociais ? A quem interessa centralizar a cultura desse país ? Estereotipar pensamentos, idéias, comportamentos, linguagens ? A quem interessa calar a nossa boca ? Despejar toneladas de lixo cultural cabeças adentro das pessoas ? E endeusar e mistificar "Gênios" tatibitates que só incomodam a seus próprios vizinhos."
"O que acontecerá nas cabeças brasileiras se todos esses artistas desconhecidos puderem ser ouvidos ? E a que levaria esse possível repensamento de uma realidade brasileira por demais falseada, humilhada, folclorizada ? "...


E por aí vai o editorial. O que mudou desde então ? Creio que o surgimento da Internet veio nos fornecer uma ferramenta boa para que a se possa divulgar, de forma quase que instântanea a realidade musical do nordeste que antes era tão distante e inatingível para quem está ao sul do Brasil.
Com o patrocínio do Banco do Nordeste e impresso pela Prefeitura de Fortaleza, a revista "Lítero-Musical O Saco" , em seu no. 8 , além de artigos, resenhas, desenhos, poemas, fotos, resolveu lançar junto um LP, do cantor e compositor cearense Bernardo Neto. Uma idéia semelhante à do jornal carioca "O Pasquim", que em 1971 lançava o "disco de bolso", um compacto simples encartado em sua edição e que lançou nomes como Fagner e João Bosco.
Não sei se "O Saco" teve edições posteriores a essa, se alguém souber, por favor me corrija.


BERNARDO NETO - SUMARÉ
Lado A:
1- Sumaré (Bernardo Neto/Manoel C. Raposo)
2- Brasão (Bernardo Neto/Francisco Carvalho)
3- Superstição Imortal (Barnardo neto/Millôr Fernandes)
Lado B:
1- Cora Coralina (Bernardo Neto)
2- O Novo (Bernardo Neto/Caetano Ximenes)
3- Vilancete (Bernardo Neto/Moreira Campos)

Vou quotar aqui a resenha do disco que está na Revista "O Saco":

"Sumaré - um canto poético" - Ao decidir-se por editar disco com composições de Bernardo N
eto, o movimento lítero-musical "O Saco" levou em consideração o trabalho de um compositor voltado para a busca constante da sintonia entre a beleza da palavra e da música. Um artista interessado em deixar registrado no tempo o compromisso do homem para com a vida, a poesia e o destino de todos nós numa era de tantas indecisões e desencantos.
Bernardo Neto desenvolve há muito tempo no Ceará trabalho musical que só tem merecido aplauso e reconhecimento. Mas somente o disco era capaz de impulsionar ainda mais seu talento para ser descoberto em outras plagas e receber a mesma admiração dos que vivem nos limites da província cearense. Ao optar inicialmente por Bernardo Neto, O SACO traz à tona o eterno problema do artista enclausurado nas fronteiras de seu Estado, sem perspectivas futuras se não romper os esquemas tradicionais das gravadoras multinacionais.
Ele é o primeiro mas teremos muitos outros ao longo do caminho que pretendemos percorrer, apesar de todos os obstáculos editoriais e apenas com a ajuda e sensibilidade de alguns para com a cultura nordestina. Novos nomes estão na mira. E todos com a mesma preocupação de levar essa sina de viver sob a luz da arte, guiado pela compreensão social e libertária do mundo.
Bernardo Neto escolheu para compor "Sumaré" alguns dos nomes mais significativos da literatura cearense. Ao musicar poemas de autores consagrados, dá outra dimensão à palavra que sempre se manteve no restrito espaço do papel. Amplia, repercute e avança ao lado do poder de criação literária. Em "Vilancete, o compositor torna ainda mais conhecida a produção de Moreira Campos, um dos articuladores do Grupo CLÃ, citado em várias antologias internacionais. Na faixa "O novo", perpetua em melodia os versos de Caetano Ximenes Aragão, autor do grande "Romanceiro de Bárbara". Em "Brasão", Francisco Carvalho, que traz na expressão da linguagem poética a aventura e desventura da existência. (Nota: O mesmo Francisco Carvalho que só veio a ser "descoberto" por Fagner em 2003).
Todos poetas que sabem utilizar com maestria a palavra em sua dimensão mais humana, pura, terna e eterna. Nomes que orgulham o Ceará e nada deixam a dever ao resto do país.
Indo mais além, Bernardo Neto inspira seu violão para prender na melodia "Superstição Mortal" de Millôr Fernandes. E em "Cora Coralina", uma homenagem à mulher de destino humilde, mas de ricas palavras. Bernardo Neto escolheu tal caminho por sentir em cada texto a musicalidade unir-se com o sentimento da força humana em busca de melhor caminho. Música e palavra numa vertente única, inabalável, como a esperança. A esperança de se ter pelo menos o direito de viver. E sonhar. Em "Sumaré", Manoel Carvalho Raposo, autor da letra diz: "Num passe de mágica as cores se misturam, o sol derrama as suas crinas sobre o canteiro dos homens, e a bela orquídea do poeta invade os corações de quem sabe cultivar Sumarés, rosas de amor."

segunda-feira, 25 de junho de 2007

Moita, Parceiros e Intérpretes - Sintonia Fina

O CD Sintonia Fina, lançado em 2003, registra as composições de Augusto Moita com vários parceiros. Moita convidou alguns dos mais expressivos intérpretes cearenses para participar desse trabalho. A produção e direção artística do disco ficou a cargo de Pingo de Fortaleza. Os músicos são Tony Maranhão, Cayman e Aparecida Silvino no piano (faixa 2).
MOITA, PARCEIROS E INTÉRPRETES - SINTONIA FINA
1-Ser tão menino (Aqueles tempos) (Moita/Fernando Néri)
voz: Fernando Néri
2-Romance do jangadeiro (Moita/Francisco Silvino)
voz: Aparecida Silvino
3-Essa menina (Moita/Parahiba)
voz: Parahiba
4-Baleia azul (Moita/Bernardo Neto)
voz: Bernardo Neto
5-Solidão a dois (Moita/Pingo de Fortaleza)
voz: Pingo de Fortaleza
6-Icaraí (Moita/Bernardo Neto)
voz: Bernardo Neto
7-Rock safadim (Moita/Alcântara das Luzes)
voz: Alcântara das Luzes
8-Canto de Além-mar (Moita/Caymar)
voz e viola: Caymar
9-Meu fim (Moita/Francisco Silvino)
voz: Rodger de Rogério
10-Último corte (Moita/Rogério Franco)
voz: Rogério Franco

Lúcia Menezes - Divina Comédia Humana

Lúcia Menezes, ou Lucinha como também é conhecida, lançou um CD há pouco tempo e divulgou bastante esse disco no sudeste, inclusive com shows no Teatro Rival do Rio de Janeiro.
Já o "Divina Comédia Humana" foi lançado em vinil e traz interpretações de canções de Belchior no lado A e de Fagner no lado B. O disco foi produzido pela própria Lúcia e lançado pelo selo "Terramarear Atividades Artísticas"que lançou trabalhos de vários artistas cearenses.
Nonato Luiz participa com seu violão e faz o arranjo da faixa "Mucuripe".
Além de Nonato, o LP contou com as participações dos seguinte músicos: Murilo Silva e Monsieur Parron na bateria, Carlinhos Crisóstomo: violão, Tony Maranhão: teclados e violão, Cristiano Pessoa: guitarra e João Mourão: baixo e arranjos.

LÚCIA MENEZES - DIVINA COMÉDIA HUMANA

Lado A:
1-Os profissionais (Belchior)
2-De primeira grandeza (Belchior)
3-Coração selvagem (Benchior)
4-Divina comédia humana (Belchior)
5-Paralelas (Belchior)
6- Princesa do meu lugar (Belchior)
Lado B:
1-Moto 1 (Fagner/Belchior)
2-Fanatismo (Fagner em poema de Florbela Espanca)
3-Fumo (Fagner em poema de Florbela Espanca)
4-Traduzir-se (Fagner/Ferreira Gullar)
5-Pensamento (Fagner)
6-Mucuripe ( Fagner/Belchior)

domingo, 24 de junho de 2007

Edmar Gonçalves - Bússula

Depois de participar de vários discos coletivos e de ter lançado um LP, o cantor e compositor Edmar Gonçalves lançou o CD "Bússula". O disco traz composições de Edmar, músicas de outros compositores cearenses e até um clássico da música brasileira: "Que será". As participações especiais são do cantor e compositor paraense Nilson Chaves, de Karine Alexandrino nos vocais, e os músicos Manassés, Cristiano Pinho, Luizinho Duarte, Hoto Júnior, Tim Fonteles, Tarcísio Sardinha, Marcos Farias, Ricardo Pontes, Aroldo Araújo, Adelson Góes, Evilásio Bilas, Herlon Robson, Carlos Magno e Zé do Norte. A produção dos disco foi dividida entre Edmar e Fernando Fernandes.

EDMAR GONÇALVES - BÚSSULA
1-Bússula ( David Duarte)
2-Temporal (Edmar Gonçalves)
3-Vidente (Erasmo de Bel)
4-Miragem (Edmar Gonçalves/Evaristo Filho)
5-Cigano (Edmar Gonçalves/Adelmar Carlos/Etinho)
6-Alcôva (Edmar Gonçalves/Almicir Pinto)
7-Violeiro e canção (Amaro Pena)
8-Loucura (Edmar Gonçalves/Jacqueline Fernandes)
9-Saudade (Edmar Gonçalves/Mano Alencar/João Duarte)
10-Mariana (Mano Alencar/Amaro Pena)
11-Lira da ilha (Edmar Gonçalves/Adelmar Carlos)
12-Que será (Marino Pinto/Mário Rossi)
13-Canto sem eira nem beira (Edmar Gonçalves/Evaristo Filho)

Marcus Caffé - Matiz

Marcus Britto é um dos intérpretes mais marcantes da nova geração da música cearense. "Matiz" foi gravado em São Paulo e produzido pelo músico Sérgio Sá, que também participa do disco. Outras participações muito especias no CD: Tuco Marcondes e Oswaldinho.
Atualmente Marcus Britto trocou seu nome artístico para Marcus Caffé.


MARCUS CAFFÉ - MATIZ

1-Matiz (David Duarte)

2-Objeto sim, objeto não (Gilberto Gil)

3-Festa dos deuses (Sérgio Sá)

4-Minha N. Senhora (Fátima Guedes)

5-Muito obrigado (Sérgio Sá)

6-Comédia humana (Sérgio Sá)

7-Coração selvagem (Belchior)

8-Lira dos 20 anos (Belchior/Francisco Casaverde)

9-Gula (David Duarte/Pedro I. Verde)

10-Quereres (Caetano Veloso)

11-De olhos fechados (Sérgio Sá)


sábado, 23 de junho de 2007

Fagner - Compacto Años/Fanatismo

Na época do vinil, era prática comum se lançar os compactos simples ou duplos com a finalidade ou de promover uma música do disco, a chamada "música de tabalho", ou até mesmo lançar uma música inédita, que não tivesse sido incluída no LP. Outro fator que fazia com que esses discos fossem cobiçados, eram as capas, contendo fotos diferentes do LP. Do LP "Traduzir-se", de 1981, foi tirado o compactos simples "Años/Fanatismo". Nesse caso, as duas músicas não são inéditas, mas o interessante desse item é a foto da capa, mostrando Fagner e Mercedes "La Negra" Sosa em uma apresentação ao vivo.

Lado A: Años (Pablo Milanés) - Fagner e Mercedes Sosa
Lado B: Fanatismo (Fagner em poema de Florbela Espanca)

Aparecida Silvino - Vidro e Aço

"Vidro e Aço" foi lançado em 1991 e é o primeiro trabalho solo de uma das vozes mais bonitas e afinadas do Ceará. Cantora, compositora e regente de corais, Aparecida Silvino está atualmente preparando seu terceiro trabalho, um CD que enfatiza seu lado de compositora e registra várias parcerias que ela vem fazendo com novos compositores. Nesse seu primeiro trabalho em vinil, Aparecida já mostrava seu lado de compositora em uma parceria com Ricardo Augusto, que também foi o produtor do disco. O LP tem participações muito especiais como Belchior e Kátia Freitas. Os músicos que tocam são os seguintes : Carlinhos Ferreira: teclados/sax, Edmundo Jr: baixo, Luizinho Duarte: bateria, Carlinhos Patriolino: violão folk, banjo e guitarra, Jerônimo: baixo, Murilo Silva: bateria, Gladson Carvalho: violino, Maria Helena Lage: teclados, Ronaldo Pessoa: guitarra, Aloisio Gurgel: violão, Marcus Maia: guitarra, Claudio Miranda: baixo, Paulo Porto: bateria, Mário Tadeu: teclados, Tony Maranhão: teclados, Adelson Viana: teclados, Luis Miguel: baixo, Nilton Fiore: percussão, Marcílio Homem: violões, Eugênio Mattos: teclados e Ocelo Mendonça: cello.

APARECIDA SILVINO - VIDRO E AÇO

Lado A:

1-Vidro e aço (Ricardo Augusto/Aparecida Silvino)

2-Não leve flores (Belchior) - Part. de Belchior

3-Tudo ou nada (Ricardo Augusto/Millôr Fernandes)

4-Alma Ave (Sérgio Barbosa/Aloísio Gurgel)

Lado B:

1-Portos (Ricardo Augusto/Fernando Antonio) - Part. de Kátia Freitas

2-Dosagem fatal (Ricardo Augusto/Alano Freitas/E. Stone)

3-Beira do mar (Ricardo Augusto/Calé Alencar)

4-Parto (Marcílio Homem/Marcos Dias)

Ricardo Bezerra - Maraponga

Ricardo Bezerra é parceiro de Fagner desde o início da carreira dele e, juntos, emplacaram sucessos como Cavalo Ferro e Manera Fru Fru Manera. Em 1978, pelo selo Epic, Ricardo Bezerra lançou seu LP "Maraponga", nome dado em homenagem ao sítio que Ricardo possuía e onde recebia muitos amigos e artistas. Fagner inclusive ficou um tempo por lá. Maraponga teve as participações especias de Amelinha, Fagner e os arranjos do disco são de Hermeto Paschoal.
Além de Hermeto, Ricardo Bezerra convocou um time ( ou melhor, uma seleção) mais do que especial de músicos para acompanhá-lo: Nivaldo Ornelas, Mauro Senise, Jacques Morelembaum, Serginho Boré, Sivuca, Robertinho de Recife, Marcio Malard, Bernado Bessler, Luiz Paulo Peninha, Itiberê, Claudio Araújo e Zé Carlos.

RICARDO BEZERRA - MARAPONGA

Lado A:

1-Maraponga (Ricardo Bezerra)

2-Cobra (Alano Freitas/Stelio Valle)

3-La Condessa (Soares Brandão/Ricardo Bezerra)

4-Celebração (Ricardo Bezerra)

5-Sete cidades (Ricardo Bezerra)

Lado B:

1-Gitana (Ricardo Bezerra)

2-Cavalo-Ferro (Ricardo Bezerra/Fagner)

3-Manera Fru Fru Manera (Ricardo Bezerra/Fagner)

4-Improviso (Ricardo Bezerra)


sexta-feira, 22 de junho de 2007

Cirino -Moenda


Em 1971, Cirino gravou em dupla com Raimundo Fagner o primeiro disco de suas carreiras, o compacto Copaluz/Nova Conquista. Em 1979, quando Fagner era diretor do selo Epic, Cirino gravou seu primeiro LP, Estrela Ferrada. Em 1981, pelo selo RCA , ele gravou o LP "Moenda" que teve a coordenação artística e direção de estúdio de Fagner. O desenho da contra-capa é do artista plástico cearense Mino.

CIRINO - MOENDA


Lado A:


1-Moenda (Cirino/Sérgio Costa)

2-Cana pura (Luiz Marçal Neto)

3-Batendo perna ou perambulando (Cirino)

4-Três vãos (Cirino/Belchior)

5-Vagas Opus dez (Santa paz) (Cirino/Sérgio Costa)


Lado B:


1-Força farta (Cirino/Rui de Aquino)

2-Mentira (Cirino/Rui de Aquino)

3-Nasci grama (Cirino/Sérgio Costa)

4-Riacho do cajueiro (Cirino/Chico Rosas)

5-Titã (Cirino/Sérgio Costa)

Myrlla Muniz - Pedra Rara


Flautista, violista, professora de canto popular e cantora profissional desde 1995, Myrlla Muniz está atualmente gravando seu 5o CD e fazendo shows por vários estados. Em 2002 ela lançou seu primeiro CD solo, PEDRA RARA, em um show no Teatro José de Alencar. Gravado entre Fortaleza, Brasília e São Paulo, o CD traz as participações de músicos como Marcílio Homem, Adelson Viana, Carlinhos Patriolino, Nélio Costa, Paulo André, Ocelo Mendonça, Pantico Rocha, Cristiano Pinho, Adriano Giffoni, Leandro Braga, Manassés, Luizinho Duarte, Hoto Jr.,Jorge Helder e Tarcísio José de Lima. Tem a participação especial de Dominguinhos em duas faixas e do Batuque do Leão Coroado.

MYRLLA MUNIZ - PEDRA RARA

1-Côco Aluado (Acauã)

2-Coleção (Cassiano/Paulo Zdanowski)

3-Moça nua (Marcílio Homem/Olímpio Rocha)

4-Feira de Mangaio (Sivuca/Glorinha Gadelha)

5-Pedra rara (João Marinho)

6-Chuá-chuá (Pedro de Sá Pereira/Ary Machado)

7-Trem das onze (Adoniran Barbosa)

8-Amor gitano (Pedro Neto/João Marinho/Tina Scalia)

9-Rosa dos ventos (Chico Buarque)

10-Beija-flor (Luis Fidélis)

11-Em algum lugar sagrado (Marcílio Homem/Rogério Franco)

12-Insanidade (João Marinho/Marcus Dias)

quinta-feira, 21 de junho de 2007


Além do LP duplo, foi também lançado um compacto duplo promocional do Massafeira Livre.

Stelio Valle - Brilho

Stelio Romero do Valle é compositor e músico desde 1966, quando começou a participar de festivais de música em sua terra natal, Fortaleza. A partir dos anos 70 fez shows individuais e coletivos , dividindo o palco com Rodger de Rogério, Téti, Sérgio Ricardo, Ednardo, Fagner, Cirino, Ricardo Bezerra, Ferreirinha e tantos outros talentos. Teve suas composições gravadas por vários intérpretes como Cirino ( LP "Estrela Ferrada", de 77), Téti (LP Equatorial, de 79), Nara Leão ( LP "Romance Popular", de 81), e Zizi Possi (Lp "Asa Morena", de 82), entre outros. Stelio também participou do "Massafeira Livre" e em 1981 gravou de forma independente, no Rio de Janeiro, seu próprio disco: Brilho. O LP conta com as participações de outros cantores e compositores que também participaram do projeto "Massafeira" como Lúcio Ricardo, Ângela Linhares e Aninha. Também marcaram presença no disco: Bimba (cantora do grupo "Brazuca"), Nonato Luiz, Mingo Araújo, Manassés, Petrúcio Maia, Cândido, Ife (a Banda de Santarém completa) , Antonio Adolfo e Túlio Mourão. O show de lançamento de "Brilho" aconteceu em janeiro de 1982, em Fortaleza.


STELIO VALLE - BRILHO

Lado A:


1-Romance Popular (Stelio Valle/Xico Chaves/Fausto Nilo)


2-Corpo e alma (Stelio Valle/Xico Chaves)


3-Sorvete (Stelio Valle/Chico Pio/Alano)


4-Abolerando (Stelio Valle/Adler São Luis/Stelio Valle)


5-Água (Stelio Valle/Chico Pio/Fausto Nilo)


Lado B:


1-Brilho (Stelio Valle/Lázaro)


2-Dois Bichim (Stelio Valle/Alano)


3-Sentimentos mudos (Stelio Valle/Alano)


4-Bico de Pena (StelioValle/Xico Chaves)




Nonato Luiz-Violão Brasileiro

Nonato Luiz é, sem dúvida, um dos maiores violonistas do Brasil. Hoje é conhecido em todo o mundo pelo seu talento e suas excursões para concertos na Eupora e Estados Unidos acontecem todos os anos, mas em 1982, Nonato Luiz estava se preparando para sua primeira tournée na Europa, onde se apresentaria ao lado do guitarrista espanhol Pedro Soler. Nessa mesma época, ele conheceu o empresário Carlos Marques, do grupo Estub, que decidiu gravar e lançar um LP que servisse de apoio e incentivo à viagem de Nonato. Dessa forma foi lançado o disco acima.


NONATO LUIZ - VIOLÃO BRASILEIRO

Criação e produção de Carlos Marques


Lado A:


1-Som de carrilhões (João Pernambuco)


2-Que nem giló (Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira)


Mulher rendeira (folclore)


3-Dança do ventre (Nonato Luiz e Abel Silva)


Quatro prantos (Nonato Luiz)


4-Choro acadêmico (Nonato Luiz)


Lado B:


1-Homenagem a Gil


Reflexões nordestinas


Viola violada (Nonato Luiz)


2-Folclore


Estudo Fernando Sor


3-Zambi (Vinicius de Moraes/Edu Lobo)



quarta-feira, 20 de junho de 2007

Régis e Rogério - Forró com Baião dos Dois


Régis e Rogério Soares são gêmeos, cantores e compositores e irmãos de Ednardo. Participaram do projeto "Massafeira Livre" e atualmente trabalham como dupla. Já lançaram outros trabalhos, porém o mais recente é o CD "Forró com Baião dos Dois", de 2004. O CD é excelente, com composições da dupla e também re-leituras de sucessos como "Carneiro" uma parceria de Ednardo e Augusto Pontes. Uma canção que eu destacaria é "Quase tudo" de Chico Pessoa, com uma letra deliciosa. Confira só: "Você é o meu Rio de Janeiro/Meu doce de goiaba, meu baião/Você é a alegria que faltava/Minha tangerina amarga/A minha televisão/Você é o verão, o sol, a chuva/A lua que clareia o meu sertão/É Praia do Futuro, é quinta-feira/É forró de pé de serra/É fogueira de São João/Você é uma cidade iluminada/É meu cigarro, é meu vício, perdição/Você é coca-cola bem gelada/É meu flamengo, é carnaval, é seleção/Você é ventania, é madrugada/É Padim Ciço, é Nova York, é Lampião/Cinema mudo quando você tá calada/É o colorido, um arco-íris no Japão/Você é meu pezim de juazeiro/É shopping center, um parque de diversão/É Paul McCartney cantando Canteiros/É vaquejada, é o aboio do peão/Você é a Paraíba pequenina/É o bolero de Ravel em João Pessoa/É o casamento em uma igreja de Lisboa/É quase tudo, é Teresina com garoa/É quase tudo, não é tudo mas é bom/Se tudo fosse, não seria assim tão bom/É quase tudo, não é tudo mas é bom/Se tudo fosse, não seria assim tão bom.


A direção artística é de Régis e Rogério, a produção musical é de Marcelo Randemarck e o CD tem a participação especial de Waldonys, na sanfona.


RÉGIS E ROGÉRIO - FORRÓ COM BAIÃO DOS DOIS


1-Forró com Baião dos Dois (Rogério Soares/Régis Soares/Damatta Mello)
2-Forromântico (Rogério Soares/Régis Soares/Dunga Odakam)
3-Levada (Chico Pio/Kazane)
4-Amor de rede (Rogério Soares/Marcelo Randemarck)
5-Sal da saudade (Rogério Soares/Régis Soares/Dunga Odakam)
6-Xamego da Saudade (Marcelo Randemarck)
7-Tô querendo te ver (Luan Soares/Damatta Mello)
8-Se eu soubesse (Antonio dos Santos- "Volta seca")
9-Tambor de crioula (Nelson Macedo/Correa Assunção)
10-Todo azul em meu silêncio (Chico Pio/Dunga Odakam/Caio Napoleão)
11-Todo jeito ela tem (Geraldo Azevedo/Capinan)
12-Carneiro (Ednardo/Augusto Pontes)
13-Quase tudo (Chico Pessoa)
14-Pé de rosa (Alceu Valença)

Rodger de Rogério


Depois de fazer história ao colocar a expressão "Pessoal do Ceará" como sinônimo da boa música feita em seu estado, no início dos anos 70, Rodger de Rogério só veio a lançar seu disco solo em 2003. Como ele mesmo diz, no encarte do disco: "Há uns 30 anos só gravo em discos como convidado e a primeira proposta para um disco solo, em todo esse tempo, me chega em forma de desafio." Desafio que ele venceu do melhor jeito que sabe fazer: composições incríveis e um jeito de cantar só seu. Com sua voz rouca, Rodger registrou canções famosas de seus discos em dupla com Téti e Ednardo como "Barco de Cristal", a espetacular "Ponta do lápis", uma parceria sua com Clodo Ferreira que foi sucesso na voz de Fagner em dupla com Ney Matogrosso, no compacto simples de 1975 e "Retrato Marron", parceria com Fausto Nilo. Rodger de Rogério é um disco essencial na discografia da música cearense, um registro histórico.


Músicos: Manassés no violão de aço, Pedro Rogério no violão de nylon, Aroldo Araújo no baixo e Mingo Araújo na percussão.


RODGER DE ROGÉRIO - RODGER DE ROGÉRIO


1-Balão da Baía (Rodger de Rogério/Augusto Pontes)
2-Quando você me pergunta (Rodger de Rogério/Antonio José Silva Lima)
3-Barco de Cristal (Rodger de Rogério/Clodo/Fausto Nilo)
4-Curta-metragem (Rodger de Rogério/Dedé Evangelista)
5-Diamond (Rodger de Rogério)
6-Ponta do lápis (Rodger de Rogério/Clodo)
7-Castelo Encantado (Rodger de Rogério/Pepe Capello)
8-Retrato marron (Rodger de Rogério/Fausto Nilo)
9-O lago (Rodger de Rogério/Augusto de Pontes)

Lúcio Ricardo


Lúcio Ricardo é mais um artista cearense que surgiu na época da gravação do histórico LP "Massafeira Livre", do qual ele também participa.

Depois de participar de vários CDs coletivos, Lúcio Ricardo lançou seu CD solo em 2002. O disco foi gravado ao vivo, durante a realização da "Feira da Música" , em Fortaleza.


LÚCIO RICARDO - LÚCIO RICARDO


1-Eu não sabia que voce existia (Paulo César Barros e Side)
2-Aviso aos navegantes (Lúcio Ricardo/Siegbert Franklin)
3-Diferente na TV (Fox rock) (Nato Lopes)
4-Ondas Lascivas (Lúcio Ricardo/Celso Araújo)
5-Marcianita (José Imperatone/Galvarino Vilota Aderete) Versão de Fernando César
6-Escola nos varais (Joaquim Ernesto/Pardal)
7-Quase tudo (Joaquim Ernesto/Paulo Monteiro)
8-Sorvete (Chico Pio/Alano/Stélio Vale)
9-Jogo aberto (J. Ernesto/Nilton Fortaleza/Chico Pio)
10-Eu vou rifar meu coração (Lindomar Castilho)


A faixa 10, "Vou rifar meu coração", foi gravada em estúdio e contou com a participação de Cristiano Pinho na concepção musical, na guitarra, nos teclados e vocais. Luis Miguel no baixo e Denilson Lopes na bateria.

terça-feira, 19 de junho de 2007

Karine Alexandrino - Solteira Producta


Karine Alexandrino faz parte da "novíssima" geração de cantoras e compositoras cearenses. Muito moderna e usando tudo que a tecnologia permite, Karine lançou o CD "Solteira Producta" que, com certeza, é mais conhecido no Japão ou na Alemanha do que aqui no Brasil. Em seu show, no Centro Cultural do Banco do Nordeste, Karine apresentou um show instigante e diferente. Acompanhada apenas de um músico, que usava os recursos da bateria eletrônica, um filme de suspense era projetado ao fundo do palco, durante todo o show. O efeito era muito interessante, fazendo com que a atenção da platéia se dividisse entre o filme e as canções do CD, que pareciam uma trilha sonora do filme.

O argumento e a produção de "Solteira Producta" é da própria Karine que conta também com a produção musical de Dustan Gallas e Fernando Catatau.


KARINE ALEXANDRINO - SOLTEIRA PRODUCTA


1-Quem não quer (Black is black) (Wadey/Hayes/Grainger) - Versão de Rossini Pinto
2-Ninguém verá (Fernando Catatau/Karine Alexandrino)
3-Supermercado do amor (Fernando Catatau/Karine Alexandrino)
4-Citation (Valdo Aderaldo)
5-Se eu tivesse uma amnésia agora, minha noite seria mais divertida (Fernando Catatau)
6-Babydoll de nylon (Robertinho de Recife/Caetano Veloso)
7-Feelings (Morris Albert)
8-Não tenho dinheiro (Fernando Catatau/Karine Alexandrino)
9-Zelda (Fernando Catatau/Dustan Galas/Juca Santabaia/Karine Alexandrino)
10-Ando Jururu (Rita Lee)


Ana Fonteles

ANA FONTELES - ANA FONTELES

Ana Fonteles não é cearense, mas era radicada em Fortaleza e construiu sua carreira no Ceará, onde tinha muitos amigos. Seu repertório também era, em sua maioria, de compositores cearenses. Com um timbre muito bonito, Ana Fonteles participou também de alguns CDs coletivos, antes de lançar seu CD solo. O disco "Ana Fonteles" é de 1990, e conta com as participações especiais de Nilton Rodrigues, Sivuca e Boca Livre. Infelizmente, Ana Fonteles faleceu há 3 anos, mas deixou o registro de sua bela voz que vale a pena ser conhecida.




1-Catavento (Eugênio Leandro/Oswald Barroso)
2-Quintal (Jabuti/Zezé Fonteles)
3-Um tal de Condor (Ana Karla)
4-Pau dos montes (Amaro Penna/Eugênio Leandro)
5-Amor lindo (Edwaldo Nascimento/Durvalino Couto)
6-Papagaio falante (Jabuti/Arôldo Araújo/Amaro Penna/Álcio Barroso)
7-Noites do Rio (Caio Sílvio/Ricardo Alcântara)
8-Talvez seja real (Geraldo Azevedo/Fausto Nilo)
9- Outro ar (Jabuti/Amaro Penna)

segunda-feira, 18 de junho de 2007

Rogério Franco-Estação Fronteira


Rogério Franco - Estação Fronteira

Em 1995, o cantor e compositor ROGÉRIO FRANCO gravou o CD "Estação Fronteira" que conta com a participação especial de Rodger Rogério. A direção musical, assim como a produção, ficou a cargo do próprio Rogério Franco, que contou com os seguintes músicos: Herlon Robson: teclados e programação em todas as faixas, Aroldo Araújo: baixo, Márcio Roger: guitarra, Cristiano Pinho: guitarra, Manassés: viola de 12 cordas, Carlinhos Crisóstomo: violão, Nilton Fiori: percussão e as participações nos vocais de: Maestro Poty, Socorro Raulino, Tino Freitas e Marcos Brito.


1-Estação Fronteira (Rogério Franco)
2-Eu em ti (Rogério Franco/Gilmar Chaves)
3-Bomba de hidrogênio (Rogério Franco)
4-Nem azuis nem beira-mar (Rodger Rogério/Capinan)
5-Mumgango de matuto (Rogério Franco)
6-Ir passando (Rogério Franco/David Duarte)
7-Capital do sol (Rogério Franco)
8-Baião de cem (Luis Sérgio)
9-Poema a João Cabral (Rogério Franco/Oswald Barroso)
10-Estradas (Rogério Franco/Aroldo Araújo/Oswald Barroso)
11-Falando da vida (Rodger Rogério/Dedé Evangelista) - Part. de Rodger Rogério

Tino Freitas - Inverno e Verão


O cantor e compositor Tino Freitas era presença constante nos shows em bares de Fortaleza nos anos 90. Ele gravou o CD Inverno/Verão que registra composiçõe suas e re-leituras de canções como "Vida Cigana", de Geraldo Espíndola, "Me dê uma chance" , de Marcelo Nova e "Quem me olha só", de Arnaldo Antunes e Roberto Frejat.

O CD tem arranjos, concepção e produção do próprio Tino e dos músicos que participam do disco. A direção musical é de Rogério Franco e temos duas participações bem especiais: Dominguinhos e Karine Alexandrino.

Músicos que tocam no disco: Ademir Rocha (guitarra base), Dante Accioly: guitarra solo, Herlon Robson: teclados, Edson Pinheiro: trombone, Carlos Barbosa: trumpete, Samuel Lopez: sax alto, Leandro Filho: contrabaixo, Evilásio Bilas: percussão, Denilson Lopes: bateria, Tim Fonteles: contrabaixo, Cristiano Pinho: violões de aço, slide guitar, Junior Faheina: teclados, Carlos Magno: sax alto, Carlinhos Perdigão: bateria, Danilo de Carvalho: gaita, Boquinha: voz, guitarras, viola 12 cordas, Fábio Amaral: contrabaixo e Dustan Gallas: guitarra .

Atualmente, Tino Freitas está radicado em Brasilia e continua compondo e tocando nos bares de lá.


1-Inverno e Verão (Tino Freitas)
2-Noite 18 (Tino Freitas)
3-Aprendiz (Tino Freitas)
4-Asas (Tino Freitas)
5-Beija-flor (Tino Freitas)
6-Vida Cigana (Geraldo Espíndola)
7-Olhos verdes (Tino Freitas)
8-Quem me olha só (Arnaldo Antunes/Roberto Frejat)
9-Me dê uma chance (Marcelo Nova/Karl Hummel/Gustavo Mullem)
10-Vamos ver o sol (Tino Freitas)
11-Canto de felicidade (Tino Freitas)
12-Fazendo música (Tino Freitas)

Vídeo de Zeca Zines no You Tube - Sensacional!